Publicidade
Quinta-feira,21 de Novembro de 2019  
Busca
Menu
Histórico Associação
Diretoria
Palavra do Presidente
Fotos da Associação
Álbum de Eventos

Serviços
Dentista
Serviço Jurídico
Serviço de Despachante

Variedades
Esporte
Cidade
Telefones Úteis
Saúde

Guia Saúde
Plano Associação
Médicos Conveniados
Laboratórios Conveniados
Óticas Conveniadas
Radiologia / Raio X
Médicos Conveniados 2
Protético
Acupuntura
Podóloga

Parceiros
Cidades
RSS Imprimir esta notícia Enviar por e-mail esta notícia
 

Análise sobre perdão a devedor previdenciário está parada há 5 anos no STF

Análise sobre perdão a devedor previdenciário está parada há 5 anos no STF

Cidades 03/12/2018 | Por

 

ADI tem relatoria da ministra Rosa Weber e foi movida pelo então PGR Roberto Gurgel

 

O parágrafo 1º do artigo 337-A do Código Penal prevê que é extinta a punição ao devedor previdenciário confesso que antes do início da ação fiscal “espontaneamente, declara e confessa as contribuições, importâncias ou valores e prestas as informações devidas à previdência social”.

 

Tal perdão, porém, é constitucional? Este é o ponto central da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) nº 4.974, que está parada há cinco anos no gabinete da ministra Rosa Weber, relatora do caso.

 

A inatividade do recurso foi identificada pelo robô Rui, ferramenta criada pelo JOTA para monitorar os principais processos em tramitação no Supremo Tribunal Federal (STF). O robô soa um alerta automático via Twitter quando estes processos fizerem aniversário ou completarem períodos específicos sem movimentação. É possível ver outras ações paradas no perfil @ruibarbot.

 

Na petição inicial da ADI, o então Procurador-Geral da República, Roberto Gurgel, apresenta as razões pelas quais considera inconstitucional o parágrafo que deixa de punir quem comete o crime de sonegação de contribuição previdenciária, cuja pena é de dois a cinco anos de reclusão e multa.

 

No documento enviado ao STF, Gurgel afirma que o texto “torna insuficiente a proteção ao bem jurídico tutelado pela norma, afigurando-se constitucionalmente ilegítima, bem como afronta a isonomia em seus desdobramentos penais”. A conduta, portanto, seria uma lesão ao patrimônio da Previdência Social e iria contra os artigos 194 e 195 da Constituição.

 

“O indivíduo sonegador obtém a extinção pela punibilidade e mera confissão e declaração do quanto devido, sem necessitar demonstrar o efetivo pagamento das contribuições sociais suprimidas ou reduzidas pela sonegação”, prosseguiu Gurgel. “Assim, não se verifica nem mesmo a assertiva doutrinária de que a extinção da punibilidade pelo pagamento do débito em delitos tributários possuiria, fundamentalmente, um fim arrecadatório”.

 

A petição se baseia em dados de 2009 para afirmar que, apenas com a sonegação previdenciária, o país perdeu R$ 117 bilhões naquele ano – cifra que sobe a R$ 140 bilhões, se incluídos os inadimplentes.

 

O pedido de inconstitucionalidade da norma ingressou na Suprema Corte em junho de 2013 e foi sorteado para a relatoria da ministra Rosa Weber. Desde 22 de novembro de 2013, porém, o caso não foi movimentado pela ministra.

 

Fonte: Jota.Info

 

Voltar
 

Comentários Publicados

Páginas: 1
 

Enviar seu comentário


Nome:
Email:
Endereço:
Telefone:
Comentário:


 
 
Parceiros
HOME | SOBRE O SITE | EXPEDIENTE | ANUNCIE AQUI | FALE CONOSCO

Associação dos Aposentados e Pensionistas de Catanduva e Região
Rua Municipal,1110 - Higienópolis

 Catanduva-SP     Fone: (17) 3523-1148

Associação Catanduva | © Todos os direitos reservados.