Publicidade
Segunda-feira,19 de Agosto de 2019  
Busca
Menu
Histórico Associação
Diretoria
Palavra do Presidente
Fotos da Associação
Álbum de Eventos

Serviços
Dentista
Serviço Jurídico
Serviço de Despachante

Variedades
Esporte
Cidade
Telefones Úteis
Saúde

Guia Saúde
Plano Associação
Médicos Conveniados
Laboratórios Conveniados
Óticas Conveniadas
Radiologia / Raio X
Médicos Conveniados 2
Protético
Acupuntura
Podóloga

Parceiros
Cidades
RSS Imprimir esta notícia Enviar por e-mail esta notícia
 

ESTRUTURA SOCIAL

ESTRUTURA SOCIAL

Cidades 03/12/2018 | Por

Em geral, 91% contribuem com orçamento de casa; conjuntura econômica e estrutura demográfica explicam fenômeno

Jornal GGN - Uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) revela que 91% dos idosos no Brasil contribuem com o orçamento em casa, sendo que 25% colaboram com a mesma quantia dos demais membros da família. Apenas 9% não utilizam a aposentadoria para ajudar nas despesas do lar. O trabalho mostra, ainda, que 43% dos brasileiros acima de 60 anos são os principais responsáveis pelo pagamento de contas dentro de casa, um percentual que chega a 53% entre os homens.

A pesquisa foi feita com 612 consumidores com idade acima de 60 anos, tanto homens quanto mulheres, de todas as classes sociais em 27 capitais brasileiras. A margem de erro é de 4 pontos percentuais. O mesmo levantamento, aponta também que 66% dos idosos não recebem ajuda financeira de parentes, amigos ou de programa social.

Um estudo publicado em julho pela LCA Consultores, a pedido da Agência Estado, revelou que, no último ano, o número de casas em que mais de 75% da renda vem de aposentadorias cresceu 12%, de 5,1 milhões para 5,7 milhões.

A crise econômica, responsável pelo alto nível de desemprego, explica o aumento do número de aposentados que vivem hoje como arrimo de família. Mas, para a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, a mudança demográfica e comportamental da população brasileira compõe todo o quadro:

“Há muitos casos em que a renda do aposentado é a única maneira para sustentar o lar de uma família que perdeu emprego, mas o aumento da expectativa de vida dos brasileiros e suas atitudes nesta fase da vida também são fatores importantes", pontua.

Marcela lembra que hoje os idosos são mais ativos e tem mais autonomia para trabalhar por mais tempo "seja por necessidade ou porque se sentem dispostos". Portanto, o cenário não deve ser analisado de maneira conjuntural, mas sim estrutural, aumentando a reflexão sobre a reforma da Previdência, encaminhada pelo atual governo Temer e anunciada como uma das primeiras metas do presidente eleito, Jair Bolsonaro, para 2019.

Em julho, o IBGE divulgou novas projeções da população brasileira confirmando as tendências da transição demográfica e do envelhecimento populacional. A População em Idade Ativa (PIA) no Brasil vai continuar crescendo até 2037, quando alcançará o pico de 152,9 milhões de pessoas. Atualmente a PIA é em torno de 144 milhões. A partir de 2037, portanto, começará a aumentar o número de aposentados, e irá haver a redução, gradativa, do número da população com idade ativa.

Em um artigo sobre o tema, professor  titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas (ENCE/IBGE), José Eustáquio Diniz Alve, pontuou, portanto, que o país tem menos de 20 anos para aproveitar os efeitos positivos da estrutura etária e avançar nas condições de mercado, saúde e educação. "Um país só consegue enriquecer antes de envelhecer. O Brasil tem pouco tempo para mostrar que pode ter um futuro de prosperidade".

A reforma da Previdência, precisa ser avaliada sob essa perspectiva, e não apenas como um simples corte de gastos. Na última segunda-feira (12) o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, declarou que o governo irá seguir na tendência imediatista:

"Elas [as contribuições para a reforma recebidas no Congresso] estão sendo condensadas, serão apresentadas amanhã ao futuro presidente Jair Bolsonaro para que a gente dê um destino", respondeu ao jornal Folha de S.Paulo sobre medidas infraconstitucionais (que não precisam alterar a Constituição) recebidas para reformular o pacote.

Endividamento

A pesquisa CNDL/SPC revela também que pouco mais de um quarto do grupo (26%) já fez algum empréstimo pessoal consignado para emprestar dinheiro a terceiros: na maior parte dos casos (17%), para filhos, cônjuges ou outros parentes e, em 9% dos casos, o próprio idoso ofereceu ajuda para a pessoa.

Em geral, 39% dos idosos conseguem pagar suas contas sem atrasos, mas fecham o mês sem recursos excedentes. Outros 14% nem sempre conseguem pagar as contas e algumas vezes precisam fazer esforço para administrar o dinheiro que recebem e 4% nunca ou quase nunca conseguem honrar os compromissos financeiros. Enquanto que os idosos em situação financeira confortável, ou seja, que pagam as contas e ainda sobra dinheiro, são 42% da amostra.


Voltar
 

Comentários Publicados

Páginas: 1
 

Enviar seu comentário


Nome:
Email:
Endereço:
Telefone:
Comentário:


 
 
Parceiros
HOME | SOBRE O SITE | EXPEDIENTE | ANUNCIE AQUI | FALE CONOSCO

Associação dos Aposentados e Pensionistas de Catanduva e Região
Rua Municipal,1110 - Higienópolis

 Catanduva-SP     Fone: (17) 3523-1148

Associação Catanduva | © Todos os direitos reservados.